Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

O AMOR SEGUNDO O POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

O amor segundo Drummond
Entre uma vasta produção literária, os poemas de Drummond mostram sua forma peculiar de ver o mundo. Inclusive, o amor. 

Drummond escreveu que não seria o cantor de uma mulher. E não o foi. Também escreveu que não cantaria amores que não tinha e que, quando teve, nunca os celebrou. Em verdade, teve dois grandes amores. Duas mulheres distintas: sua esposa, Dolores Dutra de Morais, e sua filha, Maria Julieta Drummond de Andrade, falecida doze dias antes de seu próprio falecimento, em agosto de 1987, que, no entanto, nunca lhe mereceram os maiores laivos de poesia. Nem elas, nem seus "affaires". Que os teve. O amor de Drummond - o amor maravilhoso - era também frustrado e incompleto, falho, humilhante. “Sarai-me, Senhor, e não desta lepra,/ do amor que eu tenho e que ninguém me tem”, escreveu num poema dedicado a Milton Campos, intitulado “Romaria” (do livro “Alguma poesia”, de 1930). De coração muito pequeno, “estúpido, ridículo e frágil”, o poeta concebi…

O LADO B DE CLARICE LISPECTOR : O QUE AS FEMINISTAS DA INTERNET DIRIAM ?

O lado B de Clarice Lispector: o que as feministas de Internet diriam?

No livro Só para mulheres - Conselhos, receitas e segredos, Aparecida Maria Nunes reúne 290 textos machistas e obsoletos publicados por Clarice Lispector em diversos jornais entre as décadas de 50 e 60. Leia alguns trechos

Certa feita, algum sábio disse que jamais deveríamos visitar a cozinha dos nossos restaurantes prediletos porque certamente ficaríamos com nojo e deixaríamos de comer neles. Costumo dizer que a regra vale para certas biografias. Até hoje, por exemplo, não sei se me sinto contente ou arrependida por ter bisbilhotado a vida de Sartre e Simone de Beauvoir, dois escritores que me despertam paixão. Descobri em algumas leituras um homem mais egocêntrico do que imaginava e uma mulher mais subserviente do que eu poderia sonhar - o que, claro, não apaga em nada o brilhantismo dos dois.
Pois foi exatamente essa a sensação que tive, a de entrar numa cozinha imunda e desorganizada, ao me deparar com o livroSó p…