Pular para o conteúdo principal

O PEQUENO PRÍNCIPE ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY - RESENHA DO LIVRO



Livro: O Pequeno Príncipe
Título original: Le Petit Prince
Autor (a): Antoine de Saint-Exupéry
Editora: Geração Editorial
Páginas: 160
ISBN: 9788581303079


{Resenha} O Pequeno Príncipe — Antoine De Saint-Exupéry


Sinopse: O Pequeno Príncipe - Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida. Com essa história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, e só aparentemente infantil, o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry criou há 70 anos um dos maiores clássicos da literatura universal. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança. Trata-se da maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger. Livro mais traduzido da história, depois do Alcorão e da Bíblia, ele agora chega ao Brasil em nova edição, completa, com a tradução de Frei Betto e enriquecida com um caderno ilustrado sobre a obra e a curta e trágica vida do autor.

Antoine de Saint-Exupéry ficou famoso pela sua obra infantil “O Pequeno Príncipe” que passou a ser o livro mais traduzido no mundo, depois da Bíblia e do Alcorão. Contudo, o célebre piloto de avião também escreveu outras obras, romances sobre guerras, viagens aéreas e desertos. Confira a resenha abaixo de uma das obras mais lidas do mundo!

     Foi no deserto, depois de uma pane no sistema que forçou o pouso de emergência de seu avião, que nosso narrador-personagem encontrou o Pequeno Príncipe. O piloto estava dormindo sua primeira noite solitária no Saara e já planejava o conserto demorado do avião quando o menino meigo de cabelos louros simplesmente o chamou. 
     Pediu que o piloto desenhasse, e, consequentemente, desse vida à um carneirinho para sua companhia. A partir daí, o piloto começou a conhecer melhor o sábio garoto, buscar entender como chegara até ali e de onde viera. 
     O Pequeno Príncipe havia feito uma viagem por inúmeros planetas até alcançar a Terra. Em sua pequena casa, deixara, todo ressentido, sua rosa espinhosa para trás, e fora atrás de aventuras. No primeiro planeta, lidou com um autoritário rei, que ficava constantemente a espera de um súdito. Em seguida, conheceu no próximo planeta visitado, um vaidoso, seguindo de um bêbado, um homem de negócios, um geógrafo e um acendedor de lamparinas; todos cegos pelos seus vícios. 
     Nesse meio-tempo, O Pequeno Príncipe desenvolveu seu interesse pelo planeta Terra, que era maior, cheio de paisagens diferentes e com vários animais distintos. Conheceu primeiramente uma cobra, depois, uma raposa, e enfim, nosso piloto. Mas os dias de possível sobrevivência do piloto estavam se esgotando. A água só duraria oito dias! Eles precisavam encontrar um meio rápido para ir embora, ou morreriam. 

“[...] – É preciso exigir de cada um o que cada um pode dar – frisou o rei. – a autoridade se baseia na razão. Se ordenar o povo se afogar no mar, ele fará uma revolução. Tenho o direito de exigir obediência porque minhas ordens são sensatas.” 

Antoine fez um trabalho realmente incrível ao revolucionar a literatura infantil. Apresentou um estado nunca narrado antes em um livro: a criação de um personagem pelo autor. Assim como aconteceu na realidade, o personagem Pequeno Príncipe simplesmente caiu de pára-quedas na vida do autor, que, depois de um desenho despretensioso, deu vida a ele. Nessa obra, Antoine deixa claro a magia da criação de personagens, planetas e outros elementos criativos que saiam da linha das convenções. 
     A obra tem uma linguagem bem fácil e próxima do público infantil, sendo que, quando uma palavra mais difícil era utilizada pelos personagens adultos, seu significado era explicitado em seguida – contribuindo para o vocabulário das crianças. 
     Mais que isso, O Pequeno Príncipe é uma obra inteiramente metafórica e simbolista. Todos seus personagens e elementos se ligavam a pessoas e fatos da realidade, modificados pela criatividade do autor. Muitas coisas haviam acontecido na vida de Antoine e no mundo, quando o livro foi escrito. A separação de sua esposa fora recente e a Segunda Guerra Mundial estava no seu ápice. Antoine precisava contribuir para o mundo e transmitir suas sábias palavras.
“ É bem mais difícil julgar a si mesmo que julgar os outros. Se conseguir julgar a si mesmo, provará que é um verdadeiro sábio.”

     E qual melhor modo de contribuir para o mundo se não cativando as crianças? O Pequeno Príncipe traz um moral incrível em suas entrelinhas! É um grande exemplo para crianças e para adultos. Há vários assuntos tratados como: tolerância, valorização, vícios, manias e o amor. Há uma grande crítica aos adultos, que se não são viciados, são autoritários, preguiçosos, vaidosos demais e apressados. Questionou condutas, levando-nos a refletir sobre o objetivo de nossos atos. 
     Antoine se demonstra um grande doutrinador de crianças, transformando toda sua sabedoria de uma vida inteira em uma história simples e facilmente assimilável. Os valores apresentando são de real importância na formação de um caráter.
     Contudo, o autor poderia ter deixado sua história mais fluída. Senti falta de algumas artimanhas usadas por vários escritores para conectar os capítulos e os fatos; tudo parecia abrupto e simplesmente jogado, sem ter uma preparação para a contextualização. Fora esse pequeno quesito, Antoine me surpreendeu muito!

“Nunca deveria tê-la abandonado. Deveria ter captado sua ternura por trás de seu jeito rude. Como as flores são complicadas! Mas eu era ainda muito jovem para saber amá-la!”
    
       No final do livro, há algumas páginas sobre a biografia do autor. Isso se fez de muita importância para compreender todas as metáforas feitas por ele. Foi possível interligar, por exemplo, as tão mencionadas estrelas com o nazismo, onde os judeus e outras minorias eram marcados através desse carimbo. Além da rosa mentirosa e rude, porém, terna, que simbolizava sua esposa, uma artista plástica geniosa que Antoine chegou a “deixar para trás”, mas que acabou reatando o relacionamento. 
     Essa edição de Luxo da Geração Editorial é perfeita! Fiquei imaginando o quanto deve ter sido trabalhoso ilustrar e, pior, decorar cada página, mudando a fonte das letras, suas cores e acrescentando ilustrações. A capa é dura e o miolo costurado! Não encontrei erros de ortografia e nada que pudesse me atrapalhar na leitura. 
     Indico o livro para todos os públicos literários. Trata-se de uma obra que todos, em algum momento de sua vida deveriam ler e reler. É um livro cheio de cor, imagens, fotografias e curiosidades! É impossível de não se cativar por essa emocionante e inesquecível história.

Melhor Quote 1: E todo dia ele repetia como você: “Sou um homem sério! Sou um homem sério!”, e o isso o enchia de orgulho. Ora, isso não é um homem, é um cogumelo.”
Melhor Quote 2:  “Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”
                                                         

Fonte:http://palaciodelivros.blogspot.com.br/2015/03/resenha-o-pequeno-principe-antoine-de.html


            

Postagens mais visitadas deste blog

OS 100 MELHORES LIVROS PARA LER EM SUA VIDA,SEGUNDO A AMAZON

Os 100 melhores livros para ler em sua vida, segundo a Amazon 
Quantos livros você lê por ano?
Se você está na média dos brasileiros, então a resposta é dois livros por ano. Pode parecer pouco, mas ler dois livros por ano já é um hábito de leitura muito mais evoluído do que 50% da população brasileira. É isso mesmo. Segundo levantamento do Instituto Pró-Livro, o Brasil tem hoje 50% de leitores (88,2 milhões de pessoas), ou seja, metade da população não lê livros. Por que as pessoas não leem livros? Podem existir várias respostas — muitas delas complexas –, mas neste post vamos supor que a maioria não lê porque não sabe qual livro vale a pena. Neste caso, a lista de livros selecionada pela Amazon é muito útil. Os editores da seção de livros do site compilaram uma coletânea de 100 livros que as pessoas deveriam ler ao longo da vida. Os títulos são repletos de best sellers, clássicos e até mesmo livros infantis. Tem para todos os gostos! Se você está procurando novos livros para ler e completar…

O QUE É LITERATURA ?

Detalhe de alguns livros raros da biblioteca do Merton College, no Reino Unido
O Que é Literatura ?

la lectrice ("A leitora"), óleo deJean-Honoré Fragonard, 1770–1772.
Literatura é a arte de compor escritos artísticos, em prosa ou em verso, de acordo com princípios teóricos e práticos, o exercício dessa arte ou da eloquência e poesia.1 A palavra Literatura vem do latim "litteris" que significa "Letras", e possivelmente uma tradução do grego "grammatikee". Em latim, literatura significa uma instrução ou um conjunto de saberes ou habilidades de escrever e ler bem, e se relaciona com as artes da gramática, da retórica e da poética. Por extensão, se refere especificamente à arte ou ofício de escrever de forma artística. O termo Literatura também é usado como referência a um corpo ou um conjunto escolhido de textos como, por exemplo, a literatura médica, a literatura inglesa, literatura portuguesa, literatura japonesa etc.
Definição
Detalhe de alguns livros

A SEMENTE DA GENIALIDADE X A MEDIOCRIDADE DAS PESSOAS - ISAIAS COSTA

A semente da genialidadeEu sou um rapaz que adora ler de tudo um pouco. Desde criança sempre fui muito curioso por aprender coisas novas e tenho um desejo muito grande de compreender as grandes coisas da vida para poder ensiná-las aos outros, não é à toa que acabei seguindo o caminho da EDUCAÇÃO e da ESCRITA. Os dois me favorecem a transmitir mensagens que para mim fazem todo sentido e sei que podem fazer bem a muita gente.
Nesse texto eu quero lhe falar sobre algo que levei bastante tempo para entender, mas quando me veio o insight, me trouxe uma imensa alegria. É sobre aGENIALIDADE.
Você sabia que existe uma semente que desperta a genialidade? E que se buscarmos encontrar essa semente dentro de nós, alimentando-a diariamente com bastante dedicação e foco em um sonho grande, nós também podemos nos tornar geniais?
Sim! É muito possível, nenhum pouco fácil, com certeza, mas possível.
A semente para despertar a genialidade se chama INQUIETUDE LATENTE.
Vou explicar a partir de exemplos para q…