Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA DE KAFKA E A MENININHA DA BONECA PERDIDA : PARA ONDE VAI O AMOR QUE SE PERDE ?

A história de Kafka e a menininha da boneca perdida em Berlim: para onde vai o amor que se perde?

Há uma história do escritor Franz Kafka (1883-1924), famoso por “A Metamorfose“, “O Processo” e “Carta ao Pai“, que mostra um singelo e doce lado do autor que já foi descrito como esquizóide, depressivo e anoréxico nervoso: uma história de amor em que ele ajuda uma menina desolada pela perda de uma boneca em uma praça de Berlim. A história tem algumas versões e abaixo seguem duas delas (traduzidas para o português): a primeira da terapeuta americana May Benatar, que ouviu da psicóloga e instrutora de meditação budista Tara Brach, publicada no site The Huffington Post, e a segunda do renomado tradutor de Kafka, Mark Harman, como foi publicado no site The Kafka Project. “Para mim essa história traz duas sábias lições: a primeira que tristeza e a perda são presentes mesmo para uma pequena criança, e a outra que o caminho para a cura é ver como o amor volta em outra forma”, diz May Benatar, cuja narrativa segue abaixo.
A história de Kafka e a menina que perdeu sua boneca em Berlim, segundo May Benatar:
kafka-boneca-52618_186x186“Franz Kafka, conta a história, certa vez encontrou uma menininha no parque onde ele caminhava diariamente. Ela estava chorando. Tinha perdido sua boneca e estava desolada. Kafka ofereceu ajuda para procurar pela boneca e combinou um encontro com a menina no dia seguinte no mesmo lugar. Incapaz de encontrar a boneca, ele escreveu uma carta como se fosse a boneca e leu para a garotinha quando se encontraram. “Por favor, não se lamente por mim, parti numa viagem para ver o mundo. Escreveu para você das minhas aventuras”. Esse foi o início de muitas cartas. Quando ele e a garotinha se encontravam ele lia essas cartas compostas cuidadosamente com as aventuras imaginadas da amada boneca. A garotinha se confortava. Quando os encontros chegaram ao fim, Kafka presenteou a menina com uma boneca. Ela era obviamente diferente da boneca original. Uma carta anexa explicava: “minhas viagens me transformaram…”. Muitos anos depois, a garota agora crescida encontrou uma carta enfiada numa abertura escondida da querida boneca substituta. Em resumo, dizia: “Tudo que você ama, você eventualmente perderá, mas, no fim, o amor retornará em uma forma diferente”.
~ May Benatar, no artigo “Kafka and the Doll: The Pervasiveness of Loss” (publicado no Huffington Post)
E a versão da história de Kafka e a menina que perdeu sua boneca em Berlim, segundo Mark Harman, que acrescenta detalhes como o tempo que durou a troca de cartas e os detalhes do desfecho:
65.2A estada de Kafka na cidade (Berlin) não foi totalmente sombria; daí o primeiro dos meus dois pequenos enigmas – uma história sobre Kafka e uma menina em Steglitz. Dora Diamant conta-a ao crítico francês e tradutor Marthe Robert, e, em uma versão um pouco diferente, a Max Brod. Enquanto caminhava certo dia em Steglitz, Kafka e Dora conheceram uma menina em um parque que chorava porque havia perdido sua boneca. Kafka disse a ela para não se preocupar porque a boneca tinha partido em uma viagem e lhe enviara uma carta. Quando a menina perguntou desconfiada pela carta, ele disse que não estava com ele, mas que se ela voltasse no dia seguinte ele iria trazê-la. Fiel à sua palavra, todos os dias durante as próximas três semanas, ele foi ao parque com uma nova carta da boneca. Dora Diamant enfatiza o cuidado que ele dedicou a esta tarefa auto-imposta, que era do mesmo grau que o que ele dedicava à sua outra obra literária. Ela também comenta a dificuldade de Kafka em chegar a um final que iria deixá-lo livre e ao mesmo tempo com uma conclusão razoavelmente satisfatória, para a menina. Na versão que Dora contou a Marthe Robert, Kafka conseguiu isso fazendo a boneca ficar noiva: “Ele (Kafka) pesquisou por um longo tempo e, finalmente, decidiu que a boneca ia se casar. Primeiro ele descreveu o jovem, o noivado.. .., os preparativos para o casamento, em seguida, em grande detalhe, a casa dos recém-casados”. Por causa desses “preparativos do casamento” em andamento, uma palavra que lembra o título de uma de suas primeiras histórias e sugere o grau de autobiografia fictícia que se engendrou neste envolvente conto – a boneca não poderia mais, compreensivelmente, visitar sua ex-dona. Max Brod não menciona esse final, mas escreve que antes de sair de Berlim para Praga, Kafka se certificou que a menina recebera o presente de uma nova boneca. Esta é, naturalmente, apenas uma discrepância menor e não diminui a credibilidade desta história, que revela um Kifka gentil, atencioso e compreensivo, que não é tão amplamente conhecido como o introvertido e auto-atormentando de “A Metamorfose” e “Um Artista da Fome”.

~ Mark Harman, em “Missing Persons: Two Little Riddles About Kafka and Berlin” (publicado no The Kafka Project)

PS: Essa história da boneca certamente deve ter servido de inspiração para a sequência do filme “Le Fabuleux Destin D’Amélie Poulain” (Jean-Pierre Jeunet, 2001), em que a protagonista Amélie Poulain (Audrey Tatou) pega uma estátua de anão de seu pai e faz ela viajar o mundo e enviar cartões postais para o pai, que não sai de casa e se sente atraído pelas aventuras da estátua.

Por Nando Pereira

Imagem: ilustração de “Kafka and the Travelling Doll“, livro digital de Jordi Sierra i Fabra


Fonte:http://dharmalog.com/2013/08/07/

Postagens mais visitadas deste blog

OS 100 MELHORES LIVROS PARA LER EM SUA VIDA,SEGUNDO A AMAZON

Os 100 melhores livros para ler em sua vida, segundo a Amazon 
Quantos livros você lê por ano?
Se você está na média dos brasileiros, então a resposta é dois livros por ano. Pode parecer pouco, mas ler dois livros por ano já é um hábito de leitura muito mais evoluído do que 50% da população brasileira. É isso mesmo. Segundo levantamento do Instituto Pró-Livro, o Brasil tem hoje 50% de leitores (88,2 milhões de pessoas), ou seja, metade da população não lê livros. Por que as pessoas não leem livros? Podem existir várias respostas — muitas delas complexas –, mas neste post vamos supor que a maioria não lê porque não sabe qual livro vale a pena. Neste caso, a lista de livros selecionada pela Amazon é muito útil. Os editores da seção de livros do site compilaram uma coletânea de 100 livros que as pessoas deveriam ler ao longo da vida. Os títulos são repletos de best sellers, clássicos e até mesmo livros infantis. Tem para todos os gostos! Se você está procurando novos livros para ler e completar…

O QUE É LITERATURA ?

Detalhe de alguns livros raros da biblioteca do Merton College, no Reino Unido
O Que é Literatura ?

la lectrice ("A leitora"), óleo deJean-Honoré Fragonard, 1770–1772.
Literatura é a arte de compor escritos artísticos, em prosa ou em verso, de acordo com princípios teóricos e práticos, o exercício dessa arte ou da eloquência e poesia.1 A palavra Literatura vem do latim "litteris" que significa "Letras", e possivelmente uma tradução do grego "grammatikee". Em latim, literatura significa uma instrução ou um conjunto de saberes ou habilidades de escrever e ler bem, e se relaciona com as artes da gramática, da retórica e da poética. Por extensão, se refere especificamente à arte ou ofício de escrever de forma artística. O termo Literatura também é usado como referência a um corpo ou um conjunto escolhido de textos como, por exemplo, a literatura médica, a literatura inglesa, literatura portuguesa, literatura japonesa etc.
Definição
Detalhe de alguns livros

A SEMENTE DA GENIALIDADE X A MEDIOCRIDADE DAS PESSOAS - ISAIAS COSTA

A semente da genialidadeEu sou um rapaz que adora ler de tudo um pouco. Desde criança sempre fui muito curioso por aprender coisas novas e tenho um desejo muito grande de compreender as grandes coisas da vida para poder ensiná-las aos outros, não é à toa que acabei seguindo o caminho da EDUCAÇÃO e da ESCRITA. Os dois me favorecem a transmitir mensagens que para mim fazem todo sentido e sei que podem fazer bem a muita gente.
Nesse texto eu quero lhe falar sobre algo que levei bastante tempo para entender, mas quando me veio o insight, me trouxe uma imensa alegria. É sobre aGENIALIDADE.
Você sabia que existe uma semente que desperta a genialidade? E que se buscarmos encontrar essa semente dentro de nós, alimentando-a diariamente com bastante dedicação e foco em um sonho grande, nós também podemos nos tornar geniais?
Sim! É muito possível, nenhum pouco fácil, com certeza, mas possível.
A semente para despertar a genialidade se chama INQUIETUDE LATENTE.
Vou explicar a partir de exemplos para q…