Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2014

"O HOMEM CONTEMPORÂNEO ESTÁ CADA VEZ MAIS SOZINHO" - ENTREVISTA COM O ESCRITOR CUBANO,AUTOR DE "O HOMEM QUE AMAVA OS CACHORROS"

IDEIAS DO MILÊNIO
"O homem contemporâneo está cada vez mais sozinho"


Responsável por renovar a literatura cubana e apontado como um dos autores mais
importantes de sua geração

16 de maio de 2014, 

Entrevista concedida pelo escritor cubanoLeonardo Padura,autor do livro O homem que amava os cachorros,aojornalistaMarcelo Lins,para o programaMilênio, da Globo News.Milênio é um programa de entrevistas, que vai ao ar pelo canal de televisão por assinatura Globo News às 23h30 de segunda-feira.

No início dos anos 70 o elenco de estrelas levou ao cinema os episódios mais nebulosos da história política do século XX. Um traidor, assassino! Inimigo do povo! Leon Davidovitch Trotsky... traidor do Estado dos Trabalhadores! O assassinato de Trotsky do Diretor Joseph Losey tinha Richard Button como revolucionário e grande rival de Stalin e o galã Alan Dulon como Frank Jackson pseudônimo de Renon Mercader o homem que matou Trotsky no México a mando de Moscou. Socorro! O filme não chegou a ser um…

GUERREAR É PRECISO - FERREIRA GULLAR

Guerrear é preciso?
A TV mostra quarteirões transformados em ruínas por bombas e foguetes.  Que sentido tem isso?
Diante das guerras que se travam hoje no mundo, sou obrigado a me perguntar por que, depois de séculos de massacres, o homem continua, como nos primórdios da civilização, a se armar e guerrear. Aliás, não apenas continua, torna-se mais capaz de matar, valendo-se de armas cada vez mais sofisticadas.
Logo me vem à mente a bomba atômica, que só não foi usada na escala que os belicistas pretendiam, porque, neste caso, quase ninguém sobreviveria. E os estadistas querem a guerra desde que ela não os atinja pessoalmente. Eles decidem por fazê-la, mas quem morre são os soldados e o povo em geral. Os chefões, quase nunca.
Costumo dizer que frequentemente me surpreendo com o óbvio, e isso acontece agora, quando a televisão me bombardeia diariamente com o número de mortos pelas bombas e foguetes na faixa de Gaza, na Síria, na Líbia, no Iraque, na Ucrânia.
Surpreendo-me com a quantidade de …

UM TEXTO SOBRE A DIFICULDADE DO TEXTO DO ESCRITOR

Um texto sobre a dificuldade do texto
Quando algo parece travar a escrita, é preciso  abandoná-la ou exorcizar os seus demônios 

Saio da frente do computador, levanto e tomo um café. Dou uma olhada nos livros exibidos na estante e então retorno. A escrita, no entanto, ainda não flui. O assunto está em minha mente, assim como o meio para abordá-lo, mas as frases insistem em não sair. Vez ou outra, quando saem, parecem perdidas ou soam de modo estranho, irregular. Os bloqueios vêm e vão, igual a felicidade. Às vezes duram cinco minutos, às vezes cinco meses. Para os que gostam de escrever, isso é terrível, mas para os que vivem da escrita –  seja através da literatura ou do jornalismo – este é o maior pesadelo. Quando o autor se depara com o bloqueio, ele consegue enxergar, em apenas um vilão, todos os seus medos, desde o palhaço temido durante a infância ao amargo fracasso profissional temido durante a vida adulta. É uma legião de demônios que parece rodar em volta da cabeça, até que o autor …

ESCRITOR - A ARTE DO AVESSO DAS COISAS

Escritor - A arte do avesso das coisasO que denuncia um escritor? O que revela a sua inclinação para a literatura? O poeta Rainer Maria Rilke dizia que a vocação é a confissão íntima de uma necessidade irrefreável e vital. Para Rilke, o escritor é aquele que se sente obrigado a escrever. Para muitos, escrever é apenas a arte de sentar-se numa cadeira. Para mim, é trazer à luz o avesso do mundo.
O escritor é o avesso - desde a adolescência foi como defini esse personagem mergulhado no vácuo, buscando na própria dissolução construir com as palavras um universo que sempre revela a alma daquele que escreve. Alguns escritores se apressam em dizer que não fazem da prosa ou da poesia um confessionário, quem diz isso é um mentiroso, porque todo escritor mente sobre suas reais intenções. Não há literatura sem algum tipo de confissão, que venha ela criptografada, envernizada ou camuflada. Talvez, escrever seja dizer a sua verdade fingindo que é a verdade do outro. “O poeta é um fingidor” - senten…

RITUAIS DIÁRIOS : COMO OS ARTISTAS FUNCIONAM

Victor Hugo
Rituais Diários: Como os Artistas FuncionamComo grandes escritores, músicos, filósofos, pintores e cientistas administravam suas rotinas e hábitos de produção intelectual. O que Truman Capote e Marcel Proust tinham em comum? Ambos trabalharam na cama, cercados por um casulo de comida, álcool e cigarros.
Todos nós temos as mesmas 24 horas do dia para executar as coisas que precisamos e queremos fazer. Mas muitas vezes parece que certas pessoas conseguem produzir muito mais com suas mesmas 24 horas. É desesperador você querer fazer tudo e quando se dá conta, no final do dia, não fez nem a metade daquela lista estratosférica de coisas que você acordou jurando que conseguiria fazer. Vai me dizer que você nunca pensou aí com seus botões, em como é que algumas pessoas conseguem escrever livros, peças de teatro, compor canções, pintar quadros, enquanto você mal consegue por o lixo da cozinha na lixeira geral do prédio, ou por sua lista de filmes em dia? Será que estas pessoas extre…

CADA PALAVRA ESCRITA É SÍMBOLO DE UM SUTIL,MAS TAMBÉM DIRETO APELO POR COMPREENSÃO...- LARISSA CARAMEL

Brooke Shaden Escrevo para aproximar-me
da rara e bela interação
que me é privada
por minhas
próprias
escolhas.

Cada palavra escrita
é símbolo de um
sutil, mas
também
direto,
apelo por
compreensão.
Escrevo o que
não posso dizer
por não mais ter ouvintes,
vivendo quase sempre só
em minhas estranhas e
alienígenas convicções.
Grito através dos
dedos para
não incomodar.
Evito o conflito e
escolho rebelar-me
em silêncio contra
as regras impostas
pelo ambiente
escolhido
por meus
próprios
medos
e orgulhos.
Não há mais bela
magia além da escrita.
Que mais posso almejar
além da grata sensação
de pertencimento
ao conseguir,
através de
formatados grafismos,
transmitir um pouco de mim,
do análogo entendimento
de minha existência,
enxergando
compreensão
através do espelho
da atenção de quem lê?

 Larissa Caramel

Fonte:
© obvious: http://lounge.obviousmag.org/insolito/2014/08/sobre-a-escrita.html#ixzz3BD7JtJ8b
Follow us: obviousmagazine on Facebook